fundo_cemh.jpg

Perguntas frequentes

1. O que é cohousing?

 

Cohousing é a denominação internacional de uma comunidade residencial intencional, onde os moradores conhecem seus vizinhos antes da construção do empreendimento. Juntamente com profissionais, participam do processo do design e gerenciamento da construção, assim como da elaboração dos acordos de convivência, com o objetivo de viverem harmoniosamente em suas residências privadas e compartilharem atividades e serviços em instalações comunitárias. As residências são construídas geralmente de maneira adensada, ao redor de uma Casa Comum, com caminhos entre elas e estacionamento na periferia do terreno, com o objetivo de facilitar a socialização dos moradores. Todas as construções devem atender às normas do desenho universal e os requisitos de sustentabilidade e cuidados com o meio ambiente. A administração da comunidade é não hierárquica, sendo que todos os moradores participam das decisões tomadas por consentimento. Privacidade (tanto quanto se desejar), companheirismo, troca de experiências e ajuda mútua são fatores-chave para o bom funcionamento da comunidade.

 

2. O que é a Casa Comum?

 

A Casa Comum é o coração da comunidade. É um local para os moradores compartilharem refeições e realizarem reuniões, celebrações, eventos musicais, filmes, prática de ioga, aulas e outras atividades que apoiem os interesses dos membros da comunidade. Na Casa Comum há sempre uma grande cozinha comum e sala de jantar para refeições em conjunto e espaços para atividades diversas.

 

3. Cohousing é um conceito novo de moradia?

 

Não. Tem mais de meio século de existência. Cohousing, como conhecida hoje, teve início na década de 1960 na Dinamarca, com a denominação de “bofælleskab”, entre os grupos de famílias que estavam insatisfeitos com habitação e comunidades que não preenchiam suas necessidades (socialização, compartilhamento da tarefa de cuidar de filhos, redução de suas tarefas domésticas enquanto trabalhavam em turnos). Na década de 1990, foi introduzida nos Estados Unidos com o nome de “cohousing”, pelo arquiteto Charles Durrett e sua esposa Kathryn McCamant, depois de terem vivenciado e estudado na Dinamarca esse tipo de moradia já consolidado naquele país.

A denominação “cohousing” passou a ser adotada internacionalmente, inclusive na Dinamarca, depois do 1o Simpósio Internacional sobre Moradias Colaborativas, em 2010, na Suécia. Hoje, o conceito está espalhado por vários países da Europa, no Japão, Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Estados Unidos. No Brasil, o conceito ainda é muito pouco conhecido, não havendo nenhuma comunidade construída até agora que contenha todos os elementos básicos de uma cohousing.

4. Qual é a diferença entre cohousing, coliving e ecovila?

 

Uma das principais diferenças entre cohousing e coliving é a forma como os espaços individuais são divididos. Enquanto coliving acontece em um mesmo apartamento ou casa, cohousing é formada por residências individuais (casas ou apartamentos), com a inclusão de unidades e áreas extras que são compartilhadas – como em uma pequena vila. Ecovila é uma comunidade urbana ou rural, que se forma com o intuito de prover a seus membros um modo de vida sustentável, mais ligado aos recursos naturais. Grande parte das ecovilas produz seu próprio alimento.

 

5. Onde posso obter informações sobre cohousing?

 

Em sites na internet, artigos científicos, livros, anais de simpósios e congressos sobre esse tipo de moradia, vídeos de conferências por especialistas no tema, assim como inúmeros vídeos sobre comunidades existentes em diversos países.

 

6. Que tipo de construção há em um empreendimento cohousing?

 

Em um empreendimento cohousing pode haver casas térreas, sobrados ou apartamentos, ou mesmo os três tipos de construção conjuntamente. As construções térreas ou assobradadas podem ser geminadas ou isoladas. O grupo de futuros moradores é quem decide o tipo de habitação que deseja.

 

7. Posso ter uma garagem em minha casa?

 

Não. Em cohousing, as áreas perto das casas são livres de carro para que possa haver socialização entre os moradores. Os estacionamentos, cobertos ou não, ficam na periferia do empreendimento. Caminhar até o estacionamento é mais um motivo para socialização.

 
8. O que é cohousing sênior?

 

Cohousing sênior é uma comunidade residencial intencional para pessoas com mais de 50 anos, (em alguns países, 55) resultante de um processo de engenharia social baseado na antropologia, na sociologia, na psicologia e na arquitetura social, ao qual são agregados os princípios do desenho universal e de sustentabilidade eco-ambiental.

 

9. Quando surgiram as primeiras comunidades cohousing sênior?

 

Cohousing sênior começou a ser difundida na década de 1980, na Dinamarca, e também está se espalhando por vários países. Na Dinamarca, hoje, existem mais de 500 comunidades cohousing sênior

 

10. Existe limite de idade (mínimo & máximo) para fazer parte do grupo de futuros moradores de uma cohousing sênior?

 

Idade mínima - 50 anos, com proposta internacional de redução dessa idade. Idade máxima - sem limites na fase de implantação, prevendo-se que, com a cohousing em funcionamento, seguindo as tendências internacionais, a idade de adesão de futuros moradores seja fixada na faixa de 60/65 anos no momento da sua aprovação para o preenchimento de uma vaga existente.

Nas comunidades cohousing já implantadas, há sempre uma lista de espera para futuros moradores, os quais também devem preencher outros requisitos aprovados pelo grupo de residentes.

 

11. Qual é o tamanho ideal de uma comunidade cohousing?

 

O número de casas dependerá do número de interessados. Para uma cohousing multigeracional, o número varia em geral de 20 a 40 casas. De acordo com a literatura estudada, recomenda-se o mínimo de 18 e o máximo de 30 casas para cohousing sênior.

.

12 .Quanto tempo leva a implantação de uma comunidade cohousing?

 

Em países onde já há empreendimentos cohousing implantados, leva entre 2 a 3 anos. Nos demais lugares, dependerá de adequações de legislações municipais, da experiência dos profissionais parceiros, do envolvimento dos futuros moradores e da capacidade financeira do grupo.

 

13. E se eu mudar de ideia e quiser deixar o grupo durante a fase de construção?

 

Você pode deixar o grupo quando quiser, vendendo sua participação para o próximo interessado na lista de espera. Não havendo lista de espera, você deverá encontrar algum interessado que tenha perfil para morar em cohousing.

 

14. Se eu não me adaptar ao estilo de vida na comunidade, poderei vender ou alugar minha casa para qualquer interessado?

 

A resposta à pergunta anterior se aplica nesse caso. É necessário que o grupo de moradores decida sobre a possibilidade de alugar e se essa decisão for positiva, o inquilino precisa ter o perfil de morador de cohousing exigido pelo grupo de moradores.

 

15. Como fica a questão de herdeiros?

 

Para não desvirtuar o conceito de cohousing, um herdeiro só poderá morar em uma comunidade cohousing, se preencher os requisitos definidos pelo grupo que a implantou. A venda ou aluguel poderá ocorrer dentro dos mesmos critérios mencionados na resposta à questão anterior.

 

16. Como é feita a administração depois que o empreendimento estiver pronto?

 

A administração da comunidade é não hierárquica, sendo que todos os moradores participam das decisões, tomadas por consentimento. Nesse sentido, a sociocracia ou governança dinâmica é uma ferramenta apropriada no cotidiano de uma comunidade cohousing.

 

17. Eu terei privacidade morando em uma comunidade cohousing?

 

Você terá tanta privacidade quanto quiser e tanta comunidade quanto quiser.

 

18. Poderei receber visitas para pernoitarem em minha casa?

 

Claro, seus amigos e familiares serão sempre bem-vindos. E há ainda a possibilidade, se você precisar ou preferir, de eles se hospedarem nos quartos de hóspedes da Casa Comum.

 

19. As casas individuais terão sua própria cozinha?

 

Sim. Toda casa individual é dotada de sua própria cozinha. A cozinha da Casa Comum será utilizada na preparação das refeições em grupo.

 

20. Se as casas estiverem muito próximas, como vai ser a questão do barulho?

 

Uma das características de cohousing é ter casas construídas próximas umas das outras para permitir socialização. A questão do barulho será resolvida pelos engenheiros e arquitetos com material adequado para isolamento de som.

 

21. Animais de estimação serão permitidos em cohousing?

 

Essa é uma questão a ser decidida pelos futuros moradores durante a terceira etapa da implantação, que se caracteriza pelos acordos, legislação, políticas de convivência.

 

22. Se eu vier a necessitar de cuidados, vou poder continuar morando na comunidade cohousing? Se necessitar de fisioterapeuta, cuidador ou outro profissional, como isso funciona?

 

Sim, cuidado cooperativo é o coração de cohousing sênior e o segredo do seu sucesso. Cuidado cooperativo é um compromisso de apoio mútuo entre vizinhos, que pode ajudar a reduzir o isolamento social e promover o envelhecimento ativo positivo. Ele incentiva a independência através da consciência de que somos todos interdependentes. Em uma comunidade cohousing, o ato de dar e receber cuidado é inteiramente voluntário.

Podemos escolher apoiar uns aos outros através de atividades como fazer pequenas compras, acompanhar um vizinho a consultas médicas ou compromissos, dirigir, passear, cozinhar, ou fazer uma caminhada com o nosso vizinho. Acreditamos que ser bons vizinhos nos ajuda a envelhecer bem e nos divertir em comunidade. Na Dinamarca, essa atitude de cuidado mútuo em cohousing permite que as pessoas vivam de forma independente muitos anos a mais do que se estivessem envelhecendo em suas antigas casas.

Porém, há cuidados que exigirão o trabalho de um profissional externo. As despesas com esses serviços correrão por conta dos moradores que estiverem demandando tais cuidados e a comunidade poderá, se necessário, contratar, demitir e acompanhar o trabalho desses profissionais. Pela possibilidade de compartilhamento desses serviços por vários moradores, a comunidade poderá viabilizar cuidados de alta qualidade a custos mais reduzidos.

 

23. Para que etapa da vida uma comunidade cohousing sênior é considerada uma boa opção?

 

Quando falamos em envelhecimento, é comum não pensarmos nas décadas que foram agregadas às nossas vidas com o fenômeno da Longevidade.

Cohousing sênior tem como proposta justamente tornar esses anos os melhores da nossa vida, permitindo que possamos continuar evoluindo, aprendendo, formando e cultivando novas amizades, contribuindo com a sociedade, almoçando junto com nossos vizinhos, passando momentos agradáveis nas inúmeras comemorações que uma comunidade maior propicia, viajando junto, indo ao cinema, a shows ou apresentações, tomando uma cerveja ou curtindo um bom vinho, comendo churrasco ou um prato especial, ouvindo histórias e estórias de um grupo excepcional de pessoas. Uma comunidade cohousing sênior também será ótima para as etapas tardias da vida, quando o apoio dos nossos amigos e vizinhos fará toda a diferença na nossa segurança e qualidade de vida.

 

24. Estou na faixa etária apropriada para cohousing sênior e acho o conceito muito interessante, mas para outra etapa da minha vida. Quando seria interessante começar a pensar nisso?

 

Um dos principais ingredientes de cohousing é a construção do espírito de comunidade, que leva a novas amizades e a partir daí à segurança do apoio mútuo quando necessário, e isso leva tempo. Por isso, é importante realçar que o tempo de convivência em comunidade, necessário à geração desse apoio espontâneo, é o principal fator que leva comunidades cohousing sênior já implantadas a restringirem a seleção a uma vaga eventual aos candidatos com no máximo 65 anos de idade.

 

25. Por que cohousing sênior é considerada a melhor opção de moradia  para  os envelhescentes?

 

Moradores de cohousing sênior na Dinamarca, Suécia e outros países têm incidência muito menor de depressão, consomem menos medicamentos e utilizam menos os serviços médicos do que o restante da população desses países, sendo a incidência de Alzheimer e demências senis, também, muito menor. A explicação a essas diferenças é atribuída à socialização, confiança e apoio mútuo desenvolvido pelos moradores das comunidades cohousing sênior.

 

26. A que mudanças na sociedade eu devo estar alerta para ter um envelhecimento de qualidade?

 

Atualmente, 70% das mulheres e um número cada vez maior de homens envelhecem sozinhos. Um número crescente de pessoas não poderá mais contar com o apoio de filhos ou da família devido ao aumento no número de famílias sem filhos ou com filho único. Cada vez mais os filhos moram longe dos pais, muitos deles em outros países. Mesmo os filhos que estiverem perto estarão submetidos às pressões das mudanças no mercado de trabalho e nos regimes de aposentadoria, com expectativa de terem de trabalhar até muito mais tarde e disporem de uma aposentadoria menor.

1. O que é cohousing?

2. O que é a Casa Comum?

3. Cohousing é um conceito novo de moradia?

4. Qual é a diferença entre cohousing, coliving e ecovila?

5. Onde posso obter informações sobre cohousing?

6. Que tipo de construção há em um empreendimento cohousing?

7. Posso ter uma garagem em minha casa?

8. O que é cohousing sênior?

9. Quando surgiram as primeiras comunidades cohousing sênior?

10. Existe limite de idade (mínimo & máximo) para fazer parte do grupo de futuros moradores de uma cohousing sênior?

11. Qual é o tamanho ideal de uma comunidade cohousing?.

12 .Quanto tempo leva a implantação de uma comunidade cohousing?

13. E se eu mudar de ideia e quiser deixar o grupo durante a fase de construção?

14. Se eu não me adaptar ao estilo de vida na comunidade, poderei vender ou alugar minha casa para qualquer interessado?

15. Como fica a questão de herdeiros?

16. Como é feita a administração depois que o empreendimento estiver pronto?

17. Eu terei privacidade morando em uma comunidade cohousing?

18. Poderei receber visitas para pernoitarem em minha casa?

19. As casas individuais terão sua própria cozinha?

20. Se as casas estiverem muito próximas, como vai ser a questão do barulho?

21. Animais de estimação serão permitidos em cohousing?

22. Se eu vier a necessitar de cuidados, vou poder continuar morando na comunidade cohousing? Se necessitar de fisioterapeuta, cuidador ou outro profissional, como isso funciona?

23. Para que etapa da vida uma comunidade cohousing sênior é considerada uma boa opção?

24. Estou na faixa etária apropriada para cohousing sênior e acho o conceito muito interessante, mas para outra etapa da minha vida. Quando seria interessante começar a pensar nisso?

25. Por que cohousing sênior é considerada a melhor opção de moradia  para  os envelhescentes?

26. A que mudanças na sociedade eu devo estar alerta para ter um envelhecimento de qualidade?